As mortes são uma constante em The Walking Dead. Mas parece que algumas em especial têm causado críticas de grupos específicos de fãs.

É o caso da recente morte de Tara, interpretada pela atriz Alanna Masterson. A personagem, que é assumidamente lésbica, foi capturada e decapitada pelos Sussurradores.

Tara era uma das personagens mais antigas em The Walking Dead, estando presente desde a 4ª temporada, em 2013. E alguns espectadores no Twitter estão afirmando que sua morte, assim como a de Jesus, que também era gay, são mais uma amostra de homofobia da série. Confira:

O que diz a produção de The Walking Dead?

Em entrevista recente, Angela Kang, a showrunner de The Walking Dead, explicou as motivações de Alpha para selecionar suas vítimas. Tara teria sido um alvo por ser a líder provisória de Hilltop.

Leia mais: Produtora de The Walking Dead explica como Alpha escolheu as vítimas das estacas!

Kang já defendeu The Walking Dead sobre este assunto na época da morte de Jesus:

Temos muita dessa diversidade e representação maravilhosa na série e isso é algo que temos muito orgulho.

É algo difícil de lidar, pois quase qualquer um que você matar na série é parte de algum grupo com menor representação na TV.

Nós conversamos sobre essas coisas. Temos uma equipe com muita diversidade. Eu sou coreana e nós escrevemos a saída de um personagem coreano. Ainda temos muitos personagens regulares que são LGBT.

É difícil, pois nós amamos representatividade. É importante para nós, tanto na frente quanto por trás das câmeras. Mas nós não podemos carregar toda a representatividade do entretenimento. Nós temos que ser capazes de contar nossas histórias.

Leia mais: Produtora de The Walking Dead justifica morte de Jesus após críticas da comunidade LGBT

***

Você acha que as mortes de Jesus e Tara tiveram algum impacto na representatividade LGBT em The Walking Dead?

Siga The Walking Dead BRASIL nas redes sociais!