Robert Kirkman, autor de The Walking Dead, está processando a desenvolvedora Disruptor Beam, responsável pelo jogo para smartphones The Walking Dead: March To War, exigindo um pagamento de US$ 690 mil (cerca de R$ 3,8 milhões) pelo licenciamento de sua marca.

O acordo com desenvolvedora foi realizado em 2014 e previa pagamentos anuais de US$ 500 mil (cerca de R$ 2,8 milhões) por quatro anos após o lançamento do jogo. Kirkman passou a receber os pagamentos em 2017, quando March To War foi lançado, porém com atrasos.

Na documentação do processo, o autor alega que a Disruptor Beam parou de depositar o dinheiro devido em fevereiro de 2020 e foi informado pela empresa que os pagamentos seriam suspensos por tempo indeterminado.

O valor de US$ 690 mil exigido por Kirkman no processo seria referente a US$ 190 mil (cerca de US$ 1,06 milhão) restantes devidos para 2020 e US$ 500 mil devidos para 2021.

Não foi informado o porquê da interrupção nos pagamentos, porém supõe-se que March to War simplesmente não tenha lucrado o esperado, uma vez que a Disruptor Beam descontinuou o jogo em janeiro de 2019.

Essa não é a primeira vez que Kirkman entra com um processo judicial por causa de The Walking Dead.

Em 2017, o autor e alguns dos ex-produtores da série processaram a AMC sob a alegação que a emissora lhes deve parte dos rendimentos da franquia. Os valores envolvidos podem chegar na ordem de um bilhão de dólares.

Leia mais: Robert Kirkman, criador de The Walking Dead, abre processo contra AMC

Siga The Walking Dead BRASIL nas redes sociais!