Retomamos no exato momento em que Alicia havia se afastado de Morgan no principio da tempestade no episódio 09. Como esperado, vamos acompanhar como cada núcleo passou pela tempestade e quais foram seus desdobramentos, e depois de vermos a longa e sombria noite de Alicia e Charlie, agora é vez de Morgan Jones.

Assim que ele se afastou de Alicia na floresta, encontrou abrigo em um caminhão parado no meio estrada, recheado de suprimentos e com caixas com os dizeres “pegue o precisa, deixe o que não precisa”, o qual já havíamos visto também nos episódios 01 e 09.

Morgan adormece dentro do veículo, e com uma dose homeopática de apelação, não sente o sacolejo do caminhão e nem qualquer um de seus movimentos enquanto roda no asfalto, despertando mais de 600km depois, já no estado do Mississípi.

O veiculo está atracado em um posto de gasolina repleto de suprimentos e de bônus tem água e luz. Sublime o momento em que Morgan degusta um café passado na hora e não consegue disfarçar o prazer que aquilo lhe proporciona, depois de meses e mais meses na estrada. Os donos dessa farra são a interiorana Sarah e o desconfiado Wendell, dupla autêntica e que trazem ainda mais luz e alento a essa série que se mostra cada vez mais incrível com sua renovação.

E não foi só a cena do deleite com café que chamou a atenção neste episódio. Em outro momento, ainda nesse posto de gasolina, Morgan está fazendo o número 2 no banheiro e lendo uma revista, uma cena nada comum para o universo The Walking Dead, rasgando manuais e dando mais humanidade aos personagens. E como se isso não bastasse, Wendell – que é cadeirante – questiona Morgan porque as pessoas adoram usar banheiro destinado a deficientes, e sua resposta é completamente satisfatória e irreverente.

O casal fornece carro e suprimentos necessários para Morgan, que pretende voltar ao Texas e ajudar seu grupo que ficou para trás. Quando Morgan lhes questiona porque eles fazem essas boas ações, eles respondem que é uma espécie de código (de conduta/ética), e que pela vantagem da profissão que exerciam antes de tudo desmoronar, ou seja, caminhoneiros, conhecem todas as estradas, rotas de suprimentos e onde todos os alimentos e combustíveis estão estocados Estados Unidos afora. Mais uma vez FEAR acerta em cheio ao mostrar coisas nunca antes exploradas, nem por ela e nem pela série-mãe.

Quando Morgan já está a caminho do Texas, ele é acometido por vozes, fantasmas de uma distante Alexandria, o que lhe deixa nervoso e por alguns instantes sem saber o que fazer. Então em um ato súbito de covardia, egoísmo de puro desespero, desiste da empreitada de voltar ao Texas e opta por seguir para Virgina, agora que já está 600km mais próximo.

Enquanto retorna até a dupla Sarah e Wendell, que ele pretende levar consigo, Morgan salva um homem encapuzado e amarrado fugindo de alguns walkers, que revela ser um fabricante de cervejas artesanais que havia sido sequestrado na tentativa de extorquirem suas receitas (mais uma vez FEAR traz à tona personagens comuns do dia a dia que haviam sido completamente negligenciados pelas franquias até o momento).

O nome desse mestre cervejeiro é Jim, e Morgan também o convida a se juntar na jornada rumo ao Leste. Quando os dois encontram Sarah e Wendell, para surpresa de Morgan e azar de Jim, o casal estava justamente a procura do cervejeiro, pois eles que o haviam sequestrado e o mesmo escapara sorrateiramente.

Nesse momento o plot twist do episódio acontece, quando descobrimos que tudo o que havíamos visto até aqui não era o que parecia ser e é revelado quem são Sarah e Wendell de verdade. O casal tinha o intuito de roubar a receita de Jim para poder fabricar sua própria cerveja, e tudo o que a dupla havia pregado como bons samaritanos havia escoado pelo ralo.

Morgan e Jim se tornam reféns de Sarah e Wendell, que agora exigem que Morgan os leve até Alexandria. Enquanto sacoleja nos fundos do caminhão, Jim tem a brilhante ideia de produzir suas cervejas em Alexandria, pois segundo ele, para uma civilização recomeçar a cerveja é essencial, e oferece um acordo para Sarah: Ela o liberta e viram sócios da cervejaria em Alexandria e como quota-parte de pagamento, a caminhoneira poderá tomar quando cerveja puder sempre que quiser. Ela topa, desamarra Jim e agora cabe a Morgan entregar o endereço de Alexandria para o grupo, o que ele reluta em fazer.

Vale destacar como esse episódio é orgânico, sua narrativa é fora dos padrões. É interessante e prende o espetador nas diversas situações criadas, que vão desde caridade duvidosa até negociações lastreadas no contragosto.

Com o impasse criado, Jim, Sarah e Wendell pressionam Morgan à guia-los até Alexandria, mas esbarram em sua resistência. Então em uma cena inesperada, Jim tropeça caindo em cima de Morgan, que rola ladeira abaixo e cai num córrego repleto de mortos-vivos. Amarrado e encurralado, se vê obrigado a subir em cima de um carro onde fica rodeado de mordedores.

Os 3 novos sócios lhe pedem informações sobre a rota até Alexandria para que tirem Morgan dessa situação, ele então a muito contragosto dá detalhes sobre o caminho abençoado até o santuário localizado no estado da Virginia, e em um súbito covarde, o trio parte com a informação sem tira-lo da enrascada, e com direito a um tapa na cara dado por Sarah ao lembra-lo sobre o fato de ter abandonado seus amigos do Texas e resolver ir direto para o leste sem ajuda-los.

Morgan então reflete durante a noite, no teto do carro. Um momento de imersão profunda em sua mente é encontrado. Ele começa a entender a atrocidade egoísta que cometera e abruptamente depois de horas abandonado e encurralado consegue enfrentar a situação e se livrar dos mordedores.

Morgan então caminha quilômetros a fio ao mesmo estilo do episódio 01, com a câmera focando em seus pés e na troca de paisagens do entorno, até a ponte onde havia tomado a decisão de desistir de voltar ao Texas no inicio do episódio, onde encontra o caminhão com o trio de covardes e traidores que haviam lhe deixado para trás. Sim, ele passou as coordenadas erradas até Alexandria e agora eles querem uma satisfação do andarilho solitário. Morgan então convoca todos a irem com ele até o Texas, pois é lá o lugar que ele precisa estar. Quer a ajuda de todos para reagrupar os sobreviventes e então partir com todos para Alexandria em sua tão desejada peregrinação, e o trio aceita a condição.

Foi um dos melhores momentos de Morgan em FEAR. Esse deslize de caráter, bem como sua redenção, levando um grupo novo de conhecidos para ajuda-lo na empreitada de reunificar todas as unidades abandonadas no Texas depois da tempestade, mostram como a lucidez de Morgan está cada vez mais vindo à tona, e que sua sanidade mental, ainda que de algumas fraquejadas, está se recompondo de maneira salutar.

Esse é o traço decisivo que eu venho pregando desde a retomada da 4ª temporada: Esqueçam Alexandria, Morgan não vai até lá, pelo menos não nessa temporada. O lugar dele no momento é com Alicia e os outros, ele é o pastor que pode reagrupar esse rebanho perdido e desesperançoso, e agora sim, a entrada de Morgan por meio do crossover mostra a que veio e como está se fazendo necessária para a renovação da série.

Essa análise mais detalhista e descritiva que faço desse episódio, pode fazer com que muitos leitores tenham revirados os olhos, mas o fato é, que episódio maravilhoso, um frescor de narrativa. Novos personagens carismáticos e com abordagens diferentes mais uma vez são inseridos na trama (e que se mantenham!), manuais foram rasgados com cenas nunca antes exploradas neste universo, diálogos bem humorados e também carregados de emoção gravitaram pela atmosfera, onde tal leveza se mostra um alento em meio ao tom pesaroso que a temporada apresenta.

Foi um episódio dinâmico, com atuações maravilhosas, mostrando novamente como Lennie James consegue suportar bem o peso de um episódio em suas costas. Já entrou para o meu rol dos melhores episódios desta temporada (junto com 01, 05 e 08). Que continue nessa pegada até a Season Finale.

Nota: 9,0

Siga Geekdama nas redes sociais!